Arquivos do Blog

São Paulo 460 anos | História da cidade

Fundação da cidade de São Paulo Imagem cedida pelo Museu Paulista

Fundação da cidade de São Paulo | Imagem cedida pelo Museu Paulista

No dia 22 de janeiro do ano de 1532, teve início a colonização oficial (por Martim Afonso de Souza) da localidade que, hoje, conhecemos como São Paulo, com a fundação da mais antiga vila do Brasil: Vila de São Vicente. Em 1554, os jesuítas (dentre os quais estavam o padre José de Anchieta e Manoel da Nóbrega), depois de subir a serra, decidem construir um colégio onde, além de alfabetizar, também catequizariam índios, no alto de uma colina na região de Piratininga. A cidade de São Paulo cresceu ao redor do colégio.

O "Monumento às Bandeiras" representa os bandeirantes, expondo suas diversas etnias e o esforço para desbravar o país... na verdade, representa nada mais, nada menos do que o domínio dos bandeirantes (que eram pessoas especializadas em caçar e exterminar, ou escravizar os índios). Nada mais "justo" do que existir um monumento imponente que representa o massacre dos índios e a covardia do homem branco, não é mesmo?

O “Monumento às Bandeiras” representa os bandeirantes, expondo suas diversas etnias e o esforço para desbravar o país… na verdade, representa nada mais, nada menos do que o domínio dos bandeirantes (que eram pessoas especializadas em caçar e exterminar, ou escravizar os índios). Nada mais “justo” do que existir um monumento imponente que representa o massacre dos índios e a covardia do homem branco, não é mesmo?

A partir do século XVII, têm início as bandeiras (ou entradas) cujo objetivo era a captura de índios, a expansão territorial e, principalmente, a descoberta de ouro e pedras preciosas. No final deste século, os bandeirantes do estado de São Paulo encontram ouro nos arredores de São João Del Rei.

A independência do Brasil é proclamada por D. Pedro I, em solo paulistano, no dia 7 de setembro de 1822.

Em 1817, tem início o ciclo do café com a fundação da primeira fazenda no vale do rio Paraíba do Sul. A mão-de-obra utilizada na cafeicultura era a escrava. Esta atividade econômica fez surgir uma oligarquia rural e propiciou o enriquecimento de diversas cidades do vale do Paraíba do Sul, dentre elas: Lorena, Pindamonhangaba e Guaratinguetá.

Porto de Santos

Porto de Santos

A fim de escoar os grãos de café do interior do estado para Santos, é criada, em1867, a São Paulo Railway (a primeira ferrovia paulista). Com a abolição da escravatura, em 1888, e o enriquecimento da região, começam a chegar os imigrantes (italianos, espanhóis, árabes, japoneses, etc.).

Foto atual de rua do bairro da Liberdade, o qual é o maior reduto da comunidade japonesa na cidade, a qual, por sua vez, congrega a maior colônia japonesa do mundo, fora do Japão.

Foto atual de rua do bairro da Liberdade, o qual é o maior reduto da comunidade japonesa na cidade, a qual, por sua vez, congrega a maior colônia japonesa do mundo, fora do Japão.

A partir de 1900 (e até 1970) uma empresa canadense chamada Light passa a administrar a geração de energia elétrica, fato que alavancou um grande desenvolvimento industrial e econômico. No início do século XX, a oligarquia cafeeira viveu seu apogeu, que foi interrompido pela Revolução de 1930 (liderada pelo Rio Grande do Sul). As elites paulistas promovem a Revolução constitucionalista, em 1932 e, apesar de todo o dinheiro que possuíam, são derrotadas. Após a Revolução de 1930, o país passou por um período de instabilidade que favoreceu a implantação da ditadura de Getúlio Vargas. A ditadura do Presidente gaúcho terminou junto com a Segunda Guerra Mundial. Devido aos bons preços que o café atingiu durante a guerra, o estado de São Paulo se recuperou.

Na historia do Brasil, a década de 30 foi marcada por transformações políticas e sociais.

Na historia do Brasil, a década de 30 foi marcada por transformações políticas e sociais.

Em 1950, chega a indústria automobilística a São Paulo (ABC Paulista), como fruto do trabalho de Juscelino Kubitschek. Graças à falta de mão de obra, migrantes do nordeste brasileiro (Bahia, Pernambuco, Paraíba, etc.) vêm em grande número para São Paulo e passam a viver na periferia aumentando o tamanho da região metropolitana daquela cidade.

Túnel 9 de Julho | 1950

Túnel 9 de Julho | 1950

A partir da década de 60, São Paulo torna-se o principal pólo econômico e a maior cidade da América do Sul.

Tower Bridge -TS Paulo Brenta 508

Vista do Centro Empresarial Nações Unidas a partir da Marginal Pinheiros.

Ponte Octávio Frias de Oliveira, conhecida como Ponte Estaiada.

Ponte Octávio Frias de Oliveira, conhecida como Ponte Estaiada.

Avenida Paulista, um dos logradouros mais importantes do município de São Paulp.

Avenida Paulista, um dos logradouros mais importantes do município de São Paulp.

 

 

 

 

Fonte: InfoEscola

Projeto SP 460 anos leva shows e atividades ao Parque do Ibirapuera

Evento terá meditação com tigelas de cristal, pilates e aulas de rúgbi.
Além disso, haverá apresentações de dança e música.

Público participa de atividades no Parque do Ibirapuera (Foto: Fernando Pilatos/TV Globo)

Público participa de atividades no Parque do Ibirapuera (Foto: Fernando Pilatos/TV Globo)

O segundo final de semana do projeto SP 460 anos será em clima de praia, devido ao calor que vem fazendo nos últimos dias, no Parque do Ibirapuera, na Zona Sul de São Paulo. O evento teve início no final de semana passado e vai acontecer durante todo o mês de janeiro, para comemorar o aniversário da cidade, em 25 de janeiro.

A exemplo do que já ocorreu no último final de semana, os frequentadores do parque poderão desfrutar de um espaço específico para relaxar, além de diversas atrações, que devem garantir a diversão e o lazer do público.
Neste fim de semana, o público poderá cuidar do corpo e mente com uma meditação coletiva com tigelas de cristal e se exercitar com aulas abertas de pilates, rúgbi e canoagem, por meio de simuladores da Confederação Brasileira de Canoagem. A dança fica por conta do bailado cigano, flamenco e o inovador Bollywood.
Na tarde de sábado (11), se apresentam João Sobral e 1Banda, som inspirado na música popular brasileira com pitadas de elementos acústicos e eletrônicos. Em seguida, é a vez da banda OYF, uma das primeiras bandas de Folk Rock Progressivo no cenário brasileiro.
No domingo (12), é a vez da banda Elevadores animar os frequentadores. O grupo da Zona Leste construiu um estilo próprio inspirado em bandas como The Smiths, Hellacopters e The Stone Roses.
Além do Parque Ibirapuera, o projeto SP 460 promoverá mais de 460 atividades espalhadas pela capital durante todo o mês em que se comemora o aniversário da cidade, em 25 de janeiro.

Projeto SP 460 no Ibirapuera

Datas: 11, 12, 18, 19, 25 e 26 de janeiro
Horário: das 12h às 19h
Local: Parque Ibirapuera (no gramado entre a marquise e o Auditório Ibirapuera); Av. Pedro Álvares Cabral – Vila Mariana – Portão 10
Entrada livre e gratuita

Programação

Sábado (11)
10h – Meditação com tigelas de cristal – Som de cristal
11h – Aula de Pilates – Pilates Ametista
11h45 – DJ
12h30 – “Contos Populares Portugueses” – Edson Caieiro
13h – João Sobral e 1Banda
14h – Aula-apresentação de Dança Cigana – Casa Estrelas Ciganas
15h – Banda OYF
16h30 – Aula de Flamenco – Dança Arte Úrsula Corrêa
17h30 – Oficina de escrita criativa
18h30 – Karaokê – Temas de novelas
Dia todo – Oficina de canoagem – Confederação Brasileira de Canoagem

Domingo (12)
10h – Meditação com tigelas de cristal – Som de cristal
11h – Oficina de hortas urbanas
12h – DJ
13h – Aula de Bollywood – Dança Arte Ursula Corrêa
14h – Aula-apresentação de Rugby – Wallys Rugby
15h – Banda Elevadores
16h30 – Aula-apresentação de Dança Cigana – Casa Estrelas Ciganas
17h30 – Oficina de desenho (flipbook)
18h30 – Karaokê – Temas de novelas
Dia todo – Oficina de canoagem – Confederação Brasileira de Canoagem

Público participa de atividades no Parque do Ibirapuera (Foto: Fernando Pilatos/TV Globo)

Público participa de atividades no Parque do Ibirapuera (Foto: Fernando Pilatos/TV Globo)

Público participa de atividades no Parque do Ibirapuera (Foto: Fernando Pilatos/TV Globo)

Público participa de atividades no Parque do Ibirapuera (Foto: Fernando Pilatos/TV Globo)

 

Fonte: G1

São Paulo 460 anos | Túnel 9 de Julho

No local existiam apenas sítios, alguns palacetes e casarões

Túnel em construção, 1937. Foto: Marco Barbosa/Estadão

Túnel em construção, 1937. Foto: Marco Barbosa/Estadão

Ao lado do presidente Getúlio Vargas, o então prefeito Prestes Maia inaugurou no dia 23 de julho de 1938 um dos marcos da história do urbanismo em São Paulo: o Túnel 9 de Julho.

O túnel foi construído para ligar o centro a uma zona sul onde existiam apenas sítios, alguns palacetes e casarões que ocupavam quase um quarteirão inteiro. Na praça 14 Bis havia apenas o bebedouro de cavalos para os carroceiros que iam fazer compras no Mercado Central, além de muito mato na avenida.

9
A ligação rápida entre o centro e a zona sul era um velho sonho dos paulistanos. Antes do túnel só era possível fazer esse trajeto subindo o espigão da avenida Paulista, obstáculo natural que impedia o desenvolvimento da capital para os lados das chácaras do Itaim e de Santo Amaro. A construção da passagem subterrânea ofereceu uma alternativa mais rápida e mudou a paisagem da região, que foi perdendo a aparência rural de seus vales e jardins para dar lugar aos grandes edifícios.
O túnel levou um ano para ser construído e custou aos cofres públicos 17.192 mil contos de réis. A obra fazia parte do famoso Plano de Avenidas, elaborado por Maia no início dos anos 30 para o prefeito Pires do Rio.
Em 2001 a via subterrânea foi rebatizado de Daher E. Cutait pela prefeita Marta Suplicy (PT), mas o nome “não pegou” e ficou apenas grafado nas placas entre parênteses.

 

Fonte: Estadão

 

São Paulo 460 anos | Parque Ibirapuera

Parque foi inspirado no Hyde Park e Central Parque de Nova York; parte do terreno foi grilada

Inauguração do Parque do Ibirapuera, em 1954. Foto: Oswaldo Luiz Palermo/Estadão

Inauguração do Parque do Ibirapuera, em 1954. Foto: Oswaldo Luiz Palermo/Estadão

A falta de jardins públicos em São Paulo, foi a razão central para a criação do Parque do Ibirapuera. “Numa cidade pobre de jardins centraes, como era S. Paulo, não poderíamos perder a opportunidade que se nos apresentou de preparar o terreno para um parque em pleno coração da cidade residencial”, afirmou o relatório da administração do prefeito Pires do Rio, publicado no Estado em 27 de julho de 1930. O parque só seria inaugurado em 1954, durante as comemorações do 4º Centenário da cidade.

ibirapuera_permuta

O local escolhido para a construção do parque fazia parte da região conhecida como Várzea de Santo Amaro. O terreno atual foi a junção de duas áreas. Uma delas com 200 mil metros, contígua à Invernada dos Bombeiros, onde está o Instituto de Biologia, foi adquirida em permuta com governo estadual. Em troca a prefeitura cedeu um terreno da Água Branca, hoje parque.

A outra parte veio com a retomada judicial da então chamada Chácara do Ibirapuera ocupada por grileiros. Um laudo, anexado ao processo apresentado à Justiça em 1928, provou que a tinta utilizada nos documentos de posse dos terrenos não batia com a data que apresentavam, muitos do século 18. Com a permuta e a vitória na Justiça, a prefeitura conseguiu 100 alqueires (2.4 mil m²), um terreno imaginado “meio termo entre o Hyde Park de Londres e o Central Parque de Nova York”, explicou o relatório. O Ibirapuera, que na língua tupi significa pau-podre ou madeira velha, foi uma aldeia criada por Anchieta em 1560.

ibirapuera

Fonte: Estadão

Ativistas resgatam cães de laboratório de testes em São Roque (SP)

327828-970x600-1

Um grupo de ao menos cem ativistas invadiu e resgatou cães da raça beagle do Instituto Royal, no Jardim Cardoso, em São Roque (59 km de São Paulo), por volta das 2h desta sexta-feira. Os ativistas protestam contra o uso de cães da raça em testes feitos pelo instituto que trabalha para farmacêuticas.

O instituto foi procurado, porém até o momento ninguém se manifestou a respeito. No ano passado, o instituto Royal disse que segue todos os protocolos nacionais e internacionais voltados para pesquisas com animais em laboratórios. A empresa também negou que houvesse maus-tratos aos animais .

Os ativistas arrombaram gaiolas e resgataram cerca de 200 cachorros da raça beagle, que foram levados em carros a clínicas veterinárias particulares da região. Segundo ativistas, seis destes cachorros tinham tumores e estavam mutilados. ” O que mais chocou o grupo foi um beagle sem os olhos”. No laboratório, os manifestantes também encontraram vários fetos de ratos e um cachorro congelado em nitrogênio líquido.

Sala é encontrada com objetos revirados no Instituto Royal, em São Roque (SP)

Sala é encontrada com objetos revirados no Instituto Royal, em São Roque (SP)

Imagem mostra geladeira aberta com objetos no chão no Instituto Royal, em São Roque (SP)

Imagem mostra geladeira aberta com objetos no chão no Instituto Royal, em São Roque (SP)

Imagem mostra mulher passando através de buraco de porta já destruída no Instituto Royal, em São Roque (SP)

Imagem mostra mulher passando através de buraco de porta já destruída no Instituto Royal, em São Roque (SP)

Coelhos também foram retirados do local pelos ativistas

Coelhos também foram retirados do local pelos ativistas

Ativistas invadem e resgatam cães da raça beagle do Instituto Royal, em São Roque (SP)

Ativistas invadem e resgatam cães da raça beagle do Instituto Royal, em São Roque (SP)

Ativistas invadem e resgatam cães da raça beagle do Instituto Royal, em São Roque (SP)

Ativistas invadem e resgatam cães da raça beagle do Instituto Royal, em São Roque (SP) 2

Fezes de animais espalhados em canil do Instituto Royal, no Jardim Cardoso, em São Roque (SP)

Fezes de animais espalhados em canil do Instituto Royal, no Jardim Cardoso, em São Roque (SP)

Fezes de animais espalhados em canil do Instituto Royal, no Jardim Cardoso, em São Roque (SP)

Fezes de animais espalhados em canil do Instituto Royal, no Jardim Cardoso, em São Roque (SP) 2

Documentos laboratoriais apreendidos pela polícia durante o resgate de animais

Documentos laboratoriais apreendidos pela polícia durante o resgate de animais

Documentos laboratoriais apreendidos pela polícia durante o resgate de animais

Documentos laboratoriais apreendidos pela polícia durante o resgate de animais 2

Ativistas invadem e resgatam cães da raça beagle do Instituto Royal, em São Roque (SP)

Ativistas invadem e resgatam cães da raça beagle do Instituto Royal, em São Roque (SP) 3

Ativistas invadem e resgatam cães da raça beagle do Instituto Royal, em São Roque (SP)

Ativistas invadem e resgatam cães da raça beagle do Instituto Royal, em São Roque (SP)4

Ativistas invadem e resgatam cães da raça beagle do Instituto Royal, em São Roque (SP)

Ativistas invadem e resgatam cães da raça beagle do Instituto Royal, em São Roque (SP)5

Funcionária brinca com cães mantidos no laboratório, que fica em São Roque (SP)

Funcionária brinca com cães mantidos no laboratório, que fica em São Roque (SP)

Funcionária brinca com cães mantidos no laboratório, que fica em São Roque (SP)

Funcionária brinca com cães mantidos no Instituto Royal; alguns são sacrificados durante os testes

Parte dos salvadores criou uma página no Facebook, a Adote um Animal Resgatado do Instituto Royal, em que atualizarão informações sobre a adoção quando tiverem a permissão para isso. Se você estiver interessado, fique ligado!

E caso você queira ajudar com ração ou medicamentos para os peludos, há pontos de coleta de doação na capital:

– Cantinho Animal. Rua Doutor Altino Arantes, 647, Vila Mariana

– JJ Cabeleireiros. Avenida Cidade Jardim, 1013, Itaim Bibi

– Leckerhaus. Rua Doutor Melo Alves, 293, Jardins

– Mister Vet Centro Veterinário. Rua Turiaçu, 713, Perdizes

– Per Paolo. Rua Cardoso de Almeida, 1021/1049, Perdizes / Avenida Diógenes Ribeiro de Lima, 2282, Pinheiros / Rua Rio Grande, 380, Vila Mariana

– Zena Caffè. Rua Peixoto Gomide, 1901, Jardins

Dica: 25 de março na internet

25-de-marco-semaan-brinquedos

Aproveitar os bons preços e a grande variedade de produtos da região da 25 de março, sem enfrentar apertos ou gastar as solas dos sapatos parece um sonho, principalmente próximo de datas comemorativas.

A realidade, porém, não está muito distante disso. Já é possível comprar em alguns dos principais magazines da famosa rua com apenas alguns cliques. Importadoras como a Niazi Chohfi e a Doural aplicam seus bons preços também às respectivas lojas virtuais.

Comercial Gomes, Mercado Camicado e a Semaan Brinquedos são outros dos nomes que marcam presença no comércio on-line.

“Trabalhamos com uma grande variedade de itens e, por isso, conseguimos bons preços. Era importante ter uma loja virtual para levar tudo isso até os consumidores de outros estados ou aqueles que não conseguem ir à 25 de março por qualquer outro motivo”, diz Marcelo Mouawad, diretor comercial da Semaan.

O site da loja tem três anos e já figura entre os mais importantes do segmento. Ele estima que, ao mês, sejam feitas aproximadamente 4 000 vendas através da loja virtual. “A área à qual eu mais me dedico é a de promoções, que tem entre 200 e 400 novos itens toda semana”, acrescenta Mouawad.

Entre as vantagens de comprar na “25 de março on-line” está a possibilidade de acompanhar diariamente as novidades das lojas. Um feito impossível para quem não pode se deslocar até a região todos os dias.

Em contrapartida, o cliente que compra pela internet não pode ver e tatear o produto que deseja. Os sites, em geral, também pecam na quantidade e qualidade das fotos disponíveis. Para itens de marcas desconhecidas (geralmente as mais baratas), esse contato físico é fundamental.

“Eu gosto de ver pessoalmente o produto, tatear e comparar com os que estão ao seu lado na prateleira”, diz uma cliente do Mercado Camicado, em um de seus dias de compras na região. “Às vezes venho para comprar uma coisa e acabo levando outra”, acrescenta.

Fonte: Folha

Conheça a Balada Silenciosa

balada-silenciosa

A festa Shhh! é uma balada diferente de tudo que você já viu. Ao entrar, ao invés da tradicional música bombando, o que se ouve são você pessoas cantando. A explicação é simples: as músicas vão direto para os 400 fones de ouvido espalhados pela casa e são comandados por DJs de estilos diferentes, entre: pop, indie rock e rock clássico.

O “silêncio” quando você tira o fone poderia ser um diferencial na paquera, pois não é preciso ficar gritando para poder conversar. Entretanto, o que se nota é uma não interação, já que é muito mais difícil trocar ideia com alguém que está de fone.

Uma curiosidade da festa é a disputa entre os DJs. Conforme as pessoas cantam as músicas e formam grupinhos, é possível saber qual estilo de música está sendo mais ouvido entre os canais.

O mais interessante – e também engraçado –  deve ser ouvir as pessoas contando em inglês ou ainda “inventando” partes das músicas que não sabem cantar.

A festa está em sua terceira edição no Beco 203, na Rua Augusta, em São Paulo.

Mostra homenageia Ed Wood

thumbs_caixa-cultural-sao-paulo-ed-wood-official-poster-banner-promo-31julho2013CAIXA Cultural São Paulo apresenta, de 16 a 30 de agosto, a mostra Ed Wood – O melhor dos piores de todos os tempos. Na programação, oito longas-metragens do cineasta, o filme-homenagem Ed Wood, de Tim Burton, e o documentário Look back in angora, de Ted Newsom, além de uma mesa-redonda. A curadoria é de Kristofer Paetau. Com entrada franca, a mostra tem patrocínio da Caixa Econômica Federal e do Governo Federal.

O cineasta norte-americano Ed Wood (1924-1978) foi imortalizado, em 1980, peloTurkey Awards, uma espécie de Oscar do cinema trash, como o “melhor dos piores de todos os tempos”. A mostra em cartaz na CAIXA Cultural São Paulotraz filmes como Plan 9 from outer space (Plano 9 para o espaço sideral, 1956), tesouro do cinema trash em que alienígenas vêm à terra ressuscitar os mortos, Bride of the monster (A noiva do monstro, 1955), trama em que um polvo gigante criado por um cientista nuclear maluco atormenta uma pacata cidadezinha do interior, e Glen or Glenda (Glen ou Glenda, 1953), que traz os dilemas de um transexual e de um pseudo-hemafrodita que deseja se transformar em mulher.

A mesa-redonda será realizada no dia 16 de agosto, após a exibição do documentário Look back in angora, de Ted Newsom. A vida do cineasta será analisada pelo curador-geral da mostra, Kristofer Paetau, pelo curador-assistente e pesquisador da Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Hernani Heffner, e pela pesquisadora e estudante de cinema da Universidade Anhembi Morumbi de São Paulo, Laura Capena. Na abertura, serão distribuídos catálogos da mostra ao público.

Sobre o cineasta:

Edward Davis Wood Jr. nasceu em 1924. Serviu na Segunda Guerra Mundial por dois anos e, em 1948, começou a realizar comerciais em sua produtora (com seu nome, no seu apartamento em Hollywood). Seu trabalho no cinema lado B cresceu durante os anos 1950, explorando temas como ataques alienígenas, zumbis e toda sorte de esquisitices. Wood morreu na miséria, em 1978, dois anos antes de ser consagrado como o pior cineasta de todos os tempos pelo Turkey Awards. Hoje cultuada, a paixão de Wood pelo cinema foi sua grandeza, felicidade e ruína. O autobiográfico Glen ou Glenda lembra que o diretor era um cross-dresser na vida real. Já as duas produções de horror A noiva do monstro e Plano 9 do espaço sideral trazem mortos-vivos atuando ao lado de Bela Lugosi, famoso por ter interpretado o Drácula americano. O ator já estava moribundo, a ponto de falecer durante as filmagens. Foi o apogeu do cinema trash.

Evento: Cinema: Ed Wood – O melhor dos piores de todos os tempos

Data: De 16 a 30 de agosto de 2013 (de terça-feira a domingo) – Consultar programação

Local: CAIXA Cultural São Paulo

Endereço: Praça da Sé, 111

Classificação etária: Não recomendado para menores de 16 anos

Ingressos: Entrada franca (os ingressos poderão ser retirados com uma hora de antecedência)

Acesso para pessoas com deficiência

Informações para o público: 3236-7400

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

%d blogueiros gostam disto: