Arquivo mensal: setembro 2014

Como se forma o tártaro nos dentes?

02-tart

Tudo começa com uma mistura de proteínas e outros componentes da saliva que se depositam sobre a superfície do dente. Com o tempo, forma-se uma camada viscosa, chamada película adquirida, sobretudo na região de encontro do dente com a gengiva. Presentes naturalmente na boca, bactérias logo grudam nessa película. À medida que vão se alimentando dos restos de comida, essas bactérias se multiplicam, formando a placa bacteriana. Se o dente for bem escovado, a placa é removida e você nem precisa se preocupar com o passo seguinte. Porém, com 12 horas sem escovação, os ácidos gerados pelas bactérias já desgastam elementos do esmalte do dente, entre eles o fosfato. Esse fosfato reage com íons de cálcio presentes em alguns alimentos. Essa reação resulta em cristais de fosfato de cálcio, que vão colando sobre o dente, junto com outros minerais. Com o passar do tempo, esses minerais vão se acumulando uns sobre os outros e – voilà! – eis o tártaro, todo amarelão. Embora não seja nocivo por si só, o acúmulo excessivo do tartaro acaba pressionando e irritando a gengiva, que fica mais vulnerável a gengivites e outras doenças. A esta altura, o “pedregulho” do tártaro é uma estrutura tão rígida que tentar removê-lo na base do escova-escova é totalmente inútil. Aí, meu caro, a única solução é ir até o dentista para fazer uma raspagem da craca.

 

Fonte: MUNDO ESTRANHO

Existe bicho que ronca?

640px-sleeping_cat_2006

Sim, e o gato é um deles. “Assim como nós, humanos, os bichanos também roncam, principalmente quando estão dormindo com a cabeça junto ao peito”, afirma o médico veterinário Gelson Genaro, de São Paulo. Nessa posição, o animal acaba obstruindo parcialmente suas vias aéreas, o que causa o barulho. Outro bicho chegado a um ronco é o cachorro. Cães de certas raças, como o pug, o sharpei e o pequinês, possuem o palato (céu da boca) mole e alongado, pendendo no início da garganta. Durante o sono, esse tecido pode bloquear a traquéia e vibrar com a respiração, produzindo ruído. Alguns bichos selvagens, como ursos e gorilas, também já foram flagrados roncando. Entre os animais, assim como nos humanos, a obesidade agrava o problema, pois o acúmulo de gordura provoca um estreitamento ainda maior da passagem do ar. Mas, apesar de ser uma sinfonia incômoda, o ronco não indica que o animal tenha, necessariamente, um problema de saúde.

 

Fonte: Mundo Estranho

Na metade da década de 2050 teremos olhos vermelhos, pênis pequeno e cérebro grande, prevê estudo

homem-do-futuro-noticias-history-channel

Quando se pensa na evolução das espécies, é normal remeter-se ao passado e a outras espécies animais. Poucas vezes tomamos consciência de que o humano está em pleno caminho evolutivo, e as condições de vida e organização social podem afetar a forma do corpo da espécie.

É nessa perspectiva que está focado um estudo realizado pelo doutor em antropologia evolutiva Cadell Last, investigador do Instituto Global do Cérebro. Segundo ele, neste instante preciso da história, o humano se encontra em um momento crucial de sua evolução, a ponto de ser comparado à etapa de transição entre os símios e os humanos.

homem-do-futuro-noticias-history-channel-2
Essa noção se baseia na certeza de que, por exemplo, em menos de um século, a longevidade de nossa espécie aumentou quase 100%, a que se soma a influência das novas tecnologias. Esse combo de transformações aceleradas e novas formas de vida fariam com que o humano do futuro, notadamente diferente do de hoje, surgisse na história em um futuro próximo.

homem-do-futuro-noticias-history-channel-3

De acordo com os cálculos de Last, no ano de 2050, as pessoas poderão viver até os 120 anos. Isso trará outras mudanças, já que a reprodução se atrasará e os nascimentos reduzirão. O homem do futuro, segundo essa previsão, será mais afetado pela cultura que pela biologia, como por exemplo, o avanço da tecnologia, que estará onipresente nas tarefas cotidianas e na comunicação. Por conta dessas modificações, um homem da metade da década de 2050 terá olhos vermelhos, um pênis menor, um cérebro maior, mais habilidades linguísticas e implantes que melhorem suas faculdades físicas.

Por que cachorros não podem comer chocolate?

42chocolate-edicao42-pag55

Porque o chocolate, principalmente o escuro, contém teobromina, uma substância que faz um grande estrago no sistema nervoso dos totós. Presente no cacau, a teobromina pode provocar crises alérgicas, aumento da pressão arterial, taquicardia, arritmia, tremores e convulsões. Dependendo do porte do animal, da quantidade de chocolate que ele ingerir e da sua sensibilidade ao alimento, ele pode até mesmo entrar em coma e morrer. E tem mais: o consumo de chocolate, bem como de outros alimentos com alto teor de açúcar, predispõe os cachorros a cáries e outros problemas dentários. Para evitar essa roubada, uma empresa nacional chegou até a desenvolver um petisco que tem sabor, cheiro e aparência de chocolate, mas não é chocolate e pode ser consumido na boa pelo seu melhor amigo.
Fonte: Mundo Estranho

O que é Pogonofobia?

A pogonofobia é um medo muito estranho e inusitado.

Essa fobia é caracterizada por um pavor irracional de barbas.

barbas_foto1

A aversão aos homens de barba tem sintomas físicos específicos, como suor frio, tremor, taquicardia e síndrome do pânico.

A Pogonofobia é um medo descontrolado, persistente e repugnante a barba. As pessoas que sofrem dessa fobia não conseguem ver barbas nem mesmo pela televisão ou por fotografias.
Essa aversão ao pelos faciais pode ter origem emocional ou pode estar relacionada a algum tipo de trauma. Segundo a psicologia, a fobia pode ter relação com as imagens estereotipadas da infância, como personagens monstruosos e peludos.
Essa fobia precisa de tratamento adequado para evitar o isolamento social e a depressão. Para tratar a pogonofobia é necessário buscar um acompanhamento psicológico profissional e a administração da medicação adequada.

Fonte: SitedeCuriosidades

Onde as corujas ficam durante o dia?

tumblr_m3eynmw8th1rt5q7fo1_500

A maioria das corujas se abriga em cavernas ou galhos de árvores durante o dia. Algumas espécies, como a buraqueira, escondem-se em buracos e tocas cavadas no chão. Outras ainda utilizam como “dormitório” torres de igrejas, telhados e forros de casas velhas. Na mata, para escapar dos inimigos e não ser atacada enquanto está dormindo, a coruja utiliza sua plumagem – que vai do branco-amarelado ao preto – para se confundir com a folhagem e os galhos das árvores. “Embora seja uma ave de hábitos crepusculares e noturnos, as corujas também são ativas e enxergam bem durante o dia. Mas, como usam esse período para repousar, ficam mais suscetíveis aos predadores, como cobras e outros pássaros”, diz o ornitólogo Carlos Eduardo Sant’Ana, da Universidade Católica de Goiás.

Fonte: Mundo Estranho

Tim Burton ganha exposição no MIS com a presença do cineasta

Já imaginou adentrar o universo de Tim Burton, um dos cineastas mais criativos e inovadores da sétima arte? Pare de imaginar e prepare-se para tornar esse sonho realidade. Entre janeiro e abril de 2016 (ainda sem data marcada), o MIS recebe uma megaexposição dedicada à obra de Burton, que vem ao país para acompanhar a abertura.

Já pensou em adentrar o universo do cineasta Tim Burton? A foto mostra a entrada da exposição no MoMA, que vem para o país em 2016

Já pensou em adentrar o universo do cineasta Tim Burton? A foto mostra a entrada da exposição no MoMA, que vem para o país em 2016

“Ele vem pessoalmente à exposição”, conta André Sturm, diretor do Museu. Segundo ele, assim como nas exposições de Stanley Kubrick e David Bowie, ambas trazidas de importantes instituições internacionais, a mostra de Tim Burton, original do MoMA, em Nova York, será adaptada ao MIS com trechos inéditos pensados especialmente para o espaço expositivo.

“Vale adiantar que a exposição é muito cenográfica, vai além dos documentos originais, objetos de cenas, vídeos e fotografias”, revela Sturm. Ou seja, a proposta é fazer o visitante se sentir literalmente dentro de um filme de Tim Burton!

A exposição ainda está longe, mas vale alimentar as expectativas. Será a grande oportunidade de conhecer de perto os universos de “Edward, Mãos de Tesoura”, “O Estranho Mundo de Jack”, “A Noiva Cadáver”, “Sweeney Todd”, “Alice no País das Maravilhas” e tantas outras produções marcantes do cineasta.

Tim Burton vem ao Brasil para conferir de perto a exposição em sua homenagem, que acontece no MIS entre janeiro e abril de 2016

Tim Burton vem ao Brasil para conferir de perto a exposição em sua homenagem, que acontece no MIS entre janeiro e abril de 2016

 

Fonte: Catraca Livre

Quem é o pai dos sobrinhos do Pato Donald?

donald-zangado-sobrinhos

Só há pistas sobre a mãe deles. A identidade do pai continua sendo um dos maiores mistérios da história de Patópolis, a cidade fictícia habitada por Donald, Tio Patinhas e companhia nas histórias em quadrinhos Disney. Os trigêmeos Huguinho, Zezinho e Luizinho (como são conhecidos no Brasil) estão entre os personagens mais antigos dessa família: sua aparição data de outubro de 1937, apenas três anos depois do surgimento do próprio Donald. Apesar de tanto tempo de estrada, pouco se sabe sobre seus pais. No início da década de 50, Carl Barks – um dos principais desenhistas, roteiristas e animadores da Disney – criou uma árvore genealógica na qual a mãe do trio era identificada como Thelma, irmã gêmea de Donald. No lugar do pai, aparecia apenas um sinal de interrogação. Outra árvore genealógica mais completa, criada em 1993 pelo ilustrador e roteirista Don Rosa, também deixou esse espaço em branco.

A verdadeira explicação está no conceito de entretenimento familiar dos Estúdios Disney, que busca ser o mais assexuado possível. “Por isso, os laços familiares nessas histórias sempre se distanciaram da realidade. Quase não há contato entre pais e filhos – as relações se dão entre sobrinhos e tios, ou netos e avós – e os personagens nunca se casam”, diz o especialista em quadrinhos Álvaro de Moya, autor do livro O Mundo de Disney.

Fonte: Mundo Estranho

Por que os cães têm bigodes?

bigode-cachorro-01

Eles podem existir em bastante ou em menor quantidade e volume, dependendo da raça. Mas, em todos os cães, os bigodinhos são extremamente importantes para a vida deles. É tudo uma questão de sentidos, que são completamente aguçados nessa parte dos animais devido aos bigodes.

Além do faro, que já é o outro sentido mais utilizado pelos cães para perceber as mais diversas características de um ambiente ou de outro animal, os peludos têm ainda a ajuda dos bigodes, também chamados de vibrissas. Eles são os fios longos e grossos que saem dos focinhos, mandíbulas e acima dos olhos dos cães.

Os folículos que existem na base desses pelos são repletos de terminações nervosas sensoriais que enviam mensagens para o cérebro dos bichinhos. Altamente sensíveis a mudanças sutis em correntes de ar, os bigodes caninos servem como receptores para informações importantes sobre o tamanho, a forma e a velocidade de objetos próximos.

Isso ajuda muito aos cães — nos quais a visão não é a característica mais evoluída — a perceberem os objetos (ou pessoas e outros animais) de forma mais clara, mesmo no escuro. Além disso, ser capaz de sentir vibrações no ar também ajuda os cães a sentir perigos que se aproximam.

Sensações e táticas

Algumas raças de cães também têm sido conhecidas por usar os seus bigodes da mesma forma que muitos pequenos mamíferos fazem: para determinar se eles podem ou não caber em espaços pequenos.

Embora poucos estudos tenham sido realizados para determinar se os cães também usam seus bigodes para localizar comida, é provável que, em um momento da história canina, este foi o caso, pois ratos, focas, morsas e muitos outros mamíferos noturnos ou aquáticos ainda usam as vibrissas para esta finalidade.

Além das vantagens táticas de bigodes, estes pelos faciais especiais também podem transmitir mensagens sobre como um cão está se sentindo. Quando um cão se sente ameaçado, ele vai muitas vezes reflexivamente eriçar os bigodes e apontá-los para frente.

Alguns cientistas acreditam que este comportamento indica que os bigodes fazem algum papel na estratégia de defesa de um canino durante situações de combate com os predadores e outros cães.

Apesar das vantagens aparentes de ter os bigodinhos, muitos donos de animais — especialmente aqueles que apresentam seus cães em competições — optam por arrancar, cortar ou remover cirurgicamente essas ferramentas sensoriais vitais, o que é extremamente cruel e desnecessário. Muitas evidências sugerem que fazer isso com um cão pode levar a confusão e diminuição da percepção espacial.

 

Fonte: Mega Curioso

O pêlo da barba nasce mais grosso depois de cortado?

640px-atthecuttingedge

Não. Depois que se raspa o pêlo, ele volta a crescer com a mesma espessura de antes, já que, com o barbeador, não se arranca o bulbo do pêlo, que determina seu diâmetro. Ficamos com essa impressão porque o pêlo da barba é cortado rente à pele, justamente no local em que ele é mais grosso – do bulbo à ponta, o pêlo só afina. “É a mesma coisa que acontece com a grama: quando cortamos, ela fica mais espetada, mas não significa que está mais grossa”, diz a dermatologista Jane Tomimori Yamashita, professora da Unifesp. Isso vale para todos os pêlos do corpo (incluindo os cabelos), em ambos os sexos. No caso das meninas que usam métodos de depilação que arrancam pêlo com a raiz, o que pode acontecer é o fio renascer mais fino do que o original. “Quando o aparelho arranca o pêlo, ele leva parte do bulbo e com isso o diâmetro diminui”, afirma Jane. Mesmo nesse caso, as células responsáveis pela multiplicação do pêlo seguem vivas e, se ele não for arrancado novamente, logo sua espessura se estabilizará. Outra falsa impressão comum é que o pêlo cresce mais rápido quando é cortado. Na verdade, a velocidade de crescimento independe do número de vezes que foi cortado, a não ser que, em vez de cortado, ele perca o bulbo. Nesse caso, ele demora mais para crescer, porque precisa recompor sua raiz, que fica de 1 a 2 milímetros abaixo da pele.

 

Fonte: Mundo Estranho

%d blogueiros gostam disto: